segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Sarau dos Amigos de novembro

 
 
Em quase três anos de existência o Sarau dos Amigos está acolhendo novos artistas e dando destaque as produções feitas na comunidade do bairro Universitário. Nesta quinta-feira, 25 de novembro, a partir das 19h, o encontro abre espaço o compositor Tiago Oliar, que vem de Sidrolândia especialmente para se apresentar no encontro. O destaque cultural da região vem com o grupo Tuiuiú, formado por estudantes do conjunto Rouxinóis.

O teatro ganha destaque com o humor do Núcleo Teatral Sarau dos Amigos, sob a direção de Thathy D. Meo. Quem também se apresenta é o ator Thiago Cyles, que utiliza a técnica “Stand up”.

Na música o destaque é o cantor Nelsinho de Sousa, uma criança que encanta pela sonoridade no estilo sertanejo. Já a dupla Tangará e Zé Viola apresenta repertório autoral de música raiz.

A varanda da casa abre espaço para palinhas de outros músicos, além de poetas que queiram declamar. Artesãos como Miriam, Mauro Yanase e Clayton Abrósio expõem no corredor, onde moradores da comunidade vendem espetinhos de carne, bombons e bebidas.

Serviço: O Sarau dos Amigos acontece toda última quinta-feira do mês na casa do ator e jornalista Eduardo Romero. Rua Elvira Matos de Oliveira, 927, Universitário, região sul de Campo Grande. A entrada é um quilo de alimento, que são destinados aos Vicentinos da Paróquia Santa Rita de Cássia. Informações pelos telefones (67) 9619-6703, 9215-3082 ou 8175-2922.



TUIUIU

O GRUPO TUIUIÚ FAZ PARTE DE UM DOS PROJETOS MAIS IMPORTANTES DO PONTO DE CULTURA CAMALOTE/COMISSÃO SUL-MATO-GROSSENSE DE FOLCLORE. E TEVE SEU INÍCIO EM 2007 NAS ESCOLAS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO.

HOJE JÁ COM PERSONALIDADE PRÓPRIA TORNOU-SE UM DOS GRUPOS MIRINS MAIS REQUISITADOS PARA EVENTOS EM MATO GROSSO DO SUL. O GRUPO FAZ PARTE DE UM PROJETO PEDAGÓGICO, EM QUE OS PROFESSORES NELE ENGAJADOS, TÊM A INCUMBÊNCIA DE REPASSAR SEUS CONTEÚDOS NAS ESCOLAS PÚBLICAS, ATRAVÉS DE CONVÊNIO FIRMADO ENTRE A COMISSÃO DE FOLCLORE E A SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO.

O GRUPO É ORIENTADO E COREOGRAFADO PELA PROFª LUCIENE BICUDO QUE É INTEGRANTE DO GRUPO CAMALOTE E TEM COMO BASE DE TRABALHO O LIVRO “CHÃO BATIDO” DA PROFª E PESQUISADORA MARLEI SIGRIST.

COM ESSE PROJETO APOSTAMOS NA IDENTIFICAÇÃO DOS ALUNOS COM A DANÇA, EM PARTICULAR COM A DANÇA POPULAR NA ESCOLA; A REDESCOBERTA DE CADA ALUNO SOBRE O MEIO SOCIAL EM QUE VIVE; A BUSCA DE FATORES DENTRO DA CULTURA E DA PARTICIPAÇÃO EM GRUPO QUE CONTRIBUAM PARA O PROCESSO PEDAGÓGICO. O OBJETIVO MAIOR DO GRUPO É DIVULGAR AS DANÇAS FOLCLÓRICAS REGIONAIS POR MEIO DE APRESENTAÇÕES.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A música do Mato Grosso do Sul, influências paraguaias



Diversidade sem fronteiras*

*Matéria realizada em 2004 pelo jornalista e músico Elânio Rodrigues para concorrer ao concurso Rumos Jornalismo Cultural, do Itaú Cultural.

A diversidade cultural do Oeste brasileiro se revela com força na música. Artistas do Mato Grosso do Sul se expressam com alma guarani, influência de onde o Brasil foi Paraguai. Melodias de um Estado novo, formado por muita fauna, flora, rios e migrantes. Terra em busca de uma identidade cultural própria, que se reformula constantemente.

Festival de música TV Record

Era a época dos grandes festivais de música da TV Record. Em Campo Grande outros jovens e ainda inexperientes músicos também se lançavam em concursos locais. Entre eles, a menina Lenilde Ramos. Hoje, aos 52 anos (entrevista realizada em 2004), ela acredita que aquela nova geração de músicos do sul do Mato Grosso ajudou a construir inconscientemente a música urbana influenciada pelos ritmos paraguaios, característica de muitos artistas do atual Mato Grosso do Sul.
É como se cada festival consolidasse mais esse movimento de interações e identificações. Num pedaço do Mato Grosso ansioso pela divisão e independência, uma geração buscava sua identidade regional. Valorizaram seus laços com a Cultura Guarani a partir de outras sonoridades já praticadas. Houve ainda aqueles que aclamaram o universo pantaneiro como forte traço da identidade local. 

Lenilde Ramos

“Tenho uma visão feminina sobre essa influência. O MS já foi Paraguai e nós crescemos dentro dessa barriga, bebendo dessa fonte. Agora, temos um resgate com a música moderna, com uma linguagem definida”, analisa Lenilde. Isso é um processo de reconhecimento de identidade que, entre outras, é guarani. “Esta música está consolidada em nossa corrente sanguínea”, defende.

BACIA DO PRATA
Para o cantor e compositor Guilherme Rondon, 52 anos (entrevista realizada em 2004), a influência veio pelo rio, uma música com o Rio Paraguai através da Bacia do Prata. A identidade local é formada pelas influências das pessoas que vieram para cá e sofre constante alteração. O descompromisso com tradicionalismos deixa os músicos mais livres para interagir com os ritmos da fronteira, refazendo a música com outras formas. “Nós demos nosso tempero. Tem um charme especial que ajuda a criar nossa identidade”. 

Guilherme Rondon

Apesar da boa aceitação demonstrada pelo público, essa música ainda não foi descoberta pelo Brasil e até o sul-mato-grossense desconhece sua riqueza cultural. “A gente é tratado como algo a parte. Os poucos espaços são disputados a tapa. Primeiro, precisamos ser respeitados em nossa casa, sermos queridos, arrastar públicos”. Mesmo assim os artistas locais continuam produzindo porque, segundo Guilherme Rondon, não dependem somente da Mídia. “Os artistas estão abrindo porteiras. Uma hora essa música vai ser descoberta. O público de fora gosta muito, nossa música é adorada lá fora”, destaca.

MÚSICA E HISTÓRIA
Foi numa festa de casamento que a historiadora Carla Villamaina Centeno, 40 anos (entrevista realizada em 2004), se espantou com a força que a música da fronteira exerce na Cultura do Mato Grosso do Sul. A música alegre, executada no baile, era aclamada com gritos pelas pessoas da alta sociedade, que chegavam a tirar os calçados ao dançarem a Polca Paraguaia. “A música é dançada por todas as classes sociais. Parece que essa Cultura une, aproxima as pessoas”, concluiu.
Segundo a historiadora, as crises econômicas do país vizinho, após a Guerra do Paraguai, impulsionou a migração para o Brasil. A maioria dos paraguaios eram tratados como “desqualificados e de baixo nível”. Submetidos à exploração e à miséria, praticavam suas manifestações culturais como uma forma de resistência, para se afirmarem, voltarem às suas raízes, aliviando o sofrimento. Este fato consolidou a Cultura paraguaia como a maior influência estrangeira no Mato Grosso do Sul.
A professora analisa que o Brasil não conhece essa face de seu multiculturalismo.
A valorização da diversidade cultural através da música é apontada como positiva, desde que haja algumas precauções. “É preciso valorizar o regional, porém, sem deixar de olhar para o universal”, pondera Carla.

POLCA NO PARAGUAI
Mas como a Polca se firmou no Paraguai? O educador musical e mestrando em musicologia pela USP, Evandro Higa, 45 anos (entrevista realizada em 2004), estuda a presença desses ritmos no Mato Grosso do Sul. Ele conta que a origem mais provável deste gênero está na mistura da Cultura Guarani com a música espanhola tradicional e as danças de salão do século 19.
Além da Polca, existem outros ritmos mais lentos, como o Chamamé. Outra vertente é a Guanânia, que expressa temas mais melancólicos e amorosos. Há outro ritmo conhecido como Rasqueado, entretanto, Evandro defende que este não é um gênero musical. Rasqueado seria a forma como é tocado o violão ou a guitarra. 




Alguns estudiosos da música brasileira citam essa influência estrangeira como “Paraguaísmo”, fator que teria sido ruim para a música nacional. Evandro critica este pensamento. Esse gênero é de certa forma “sul-mato-grossismo”, devido a ligação ancestral que esta região do Centro Oeste tem com a Cultura Guarani. “Nós temos um ambiente musical que ainda está por ser descoberto pelo Brasil. Uma influência guarani que não há em outras regiões do país”, declara.

É nesse contexto que o cantor e compositor Celito Espíndola destaca a qualidade de conteúdo e de estética da música sul-mato-grossense. “Quanto mais diferente, mais destaque. Essa é a maneira de sobreviver no contexto global, trabalhando muitas vezes contra as tendências”, define.
Para Celito, os músicos sul-mato-grossenses têm influências do cotidiano na memória auditiva. Essa herança cultural é misturada ao contexto contemporâneo, que dá origem a uma música urbana singular. Ela reflete a realidade do sujeito pós-moderno, que tem múltiplas identidades e é multicultural.

 Celito Espindola

POLCA-BLUES, ROCK DE BOTINAS, POLCA-ROCK, GUARÂNIA-REGGAE E GUARÂNEA-JAZZ
Mesmo diante de tantas influências, a Polca Paraguaia ainda persiste. Isso é notável na música dos antigos e novos artistas urbanos que criam diversas releituras dessa influência.
Com toques de sanfona, Lenilde Ramos mostra seu Polca-Blues. Ela também se diz precursora do Rock de Botinas, uma espécie de som definido como “rock para dançar”, que seria um primo da Polca Rock. “O Rock de Botinas é um som que veio do global para a raiz. A Polca Rock vem da raiz para o global”, diz a cantora.
Polca Rock é o ritmo difundido por músicos da nova geração (matéria realizada em 2004), como Jerry Espíndola e Rodrigo Teixeira. No ano 2000 Jerry divulgava o disco Pop Pantanal no Rio de Janeiro, quando o amigo e músico Moska alertou sobre fazer diferença no mercado fonográfico nacional. A música “Colisão” era rock com ritmo ternário soava como algo novo, desconhecido para os músicos e o público.
A fusão musical não era novidade no Mato Grosso do Sul. Jerry já difundia a sonoridade juntamente com a banda Croa, formada por Adriano Magoo, Gabriel Sater, Marcelo Ribeiro e Sandro Moreno. Outros músicos como Rodrigo Teixeira, Caio Inácio e Antônio Porto também contribuíam no amadurecimento da Polca Rock.
“Eu não sou o pai da Polca Rock. Apenas peguei esse nome que, na minha opinião, é apenas um rótulo. Na verdade ele é uma jogada de Marketing. Ficou mais fácil dar um nome a essa fusão”, esclarece.

Jerry & Croa
(da esquerda para a direita: Jerry Epindola, Adriano Magoo, Sandro Moreno, Gabriel Sater e Marcelo Ribeiro)

Esse rótulo seria resultado do trabalho de compositores locais mais antigos. A música “Trem do Pantanal”, de Geraldo Roca e Paulo Simões, é apontada por Jerry Espíndola como “a primeira Polca-Rock oficial”. Apesar dos compositores não reconhecerem essa condição, Jerry defende que eles já faziam Polca-Rock inconscientemente, experimentando ritmos difundidos na região da Bacia do Prata, onde “todos bebem da mesma água”.



Para o caçula da família Espíndola, a Polca-Rock está dentro de um movimento que é a música sul-mato-grossense, que vem do ritmo ternário. “A Polca-Rock resgata esses ritmos, porque a tendência era serem esquecidos. Pelo que sei, no Paraguai o pessoal mais novo não curte a Polca. Já virou coisa de velho”, conta. (entrevista realizada em 2004)
Apesar da resistência de alguns músicos paraguaios, Jerry considera que este é um processo natural, porque tudo vai mudando. Outros grupos estão surgindo e propondo novas misturas como a Guarânea-Reggae, a Guarânea-Jazz, entre outras experimentações. “É um som que não existe no resto do Brasil”, finaliza.

DIVULGAÇAO E MERCADO
Lenilde Ramos, a garotinha que surgiu nos festivais de Campo Grande, amadureceu e agora questiona: “Por quê a música não tem status de produto tanto quanto a soja e o boi? Vamos botar ela no mundo, vamos nos valorizar”, desabafa.
Quanto à falta de divulgação dessa música, Lenilde diz: “a culpa é nossa, você não faz música apenas para você. Se ela tem qualidade a gente tem a missão de botar isso no circuito. Ter a coragem de se infiltrar”.
Para ela o artista deve aprender a “vender seu peixe”. O surgimento de uma geração de produtores culturais no Estado está ajudando nesse sentido.
Falando de contexto local, Celito Espindola defende que as rádios de Campo Grande precisam reformular sua programação e valorizar os artistas da terra. “Falar para quem está próximo, com espaço voltado a localidade, mas, sem ser xenófobo”, destaca. Assim, as emissoras estariam cumprindo seu potencial de inclusão social e cultural.
Sobre os artistas, ele argumenta que é preciso haver uma “convergência de intenções e propostas” para sedimentarem um mercado fonográfico mais forte.

(todas as entrevistas realizadas em 2004)

EXPERIMENTE OUVIR A MÚSICA DO MATO GROSSO DO SUL COMENDO CHIPA, SOPA PARAGUAIA OU TOMANDO TERERÉ:






---

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Sarau dos Amigos com DJ, Fotografia, Reggae, Dança...

Foto: João Samam

Cleber Dias, o apresentador do Sarau, vai usar seus atributos de locutor para anunciar a novidade do 34º Sarau dos Amigos. Pela primeira vez haverá som mecânico como atração. O convidado é o DJ Junior Fogaça, um morador da comunidade que é conhecido por diversas festas e eventos em Campo Grande. Ele preparou um repertório dance e eletro e vai balançar a casa do ator e jornalista Eduardo Romero, transformando a varanda do Sarau numa verdadeira pista de dança. Depois vem a dançarina Lisa Lima para mostrar um pouco de sua pesquisa na dança e no folclore internacional.

A produtora Fabiola Brandão destaca outras atrações, como o fotógrafo João Samam, que se inspirou no filme Liquid Sky e produziu diversas fotografias com a modelo Mariana Sena, com estética baseada nos anos oitenta. É a primeira vez que o trabalho é exposto.

Ju Borges, Ton, Rosangela, Maria do Carmo, Leonice e Haruko, alunos do Artista Plástico Pedro Guilherme no Centro Comunitário do Parati vem ao bairro Universitário para expor pela primeira vez. São telas com temas variados.

Diversas cenas do cotidiano são encenadas de forma cômica pelo Núcleo Teatral Sarau dos Amigos, com direção e texto de Thathy D. Meo.

Música brasileira vem com o repertório da banda Tracajás. Lucas Espinosa traz o Reggae praieiro. Já a nova dupla Carlos Henrique e Samuel canta o sertanejo raiz e universitário. Enquanto os convidados vão chegando o compositor Elânio interage com o público.

Clayton Ambrósio lança novas estampas em camisetas. A nova série traz imagens do artista plástico Evandro Prado. São ícones do capitalismo e da religião que já foram polêmica em Campo Grande. O artesão divide espaço com outros no corredor do quintal, que ainda oferece comercialização de espetinhos e bombons produzidos por pessoas da comunidade.

Do bairro Nossa Senhora das Graças, região do Coophasul, vem o músico Edílson Neves. Há mais de trinta anos ele compõe e agora decidiu investir na carreira autoral. São mais de 30 músicas com influência do pop-rock e anos 60 e 70, inspirando-se em artistas como Raul Seixas, Roberto Carlos e Incríveis. A canção “De onde sou” pode ser conferida no site http://www.youtube.com/watch?v=P0GYjQlUg3E .

Serviço: O Sarau dos Amigos acontece toda última quinta-feira do mês na casa do ator e jornalista Eduardo Romero. Rua Elvira Matos de Oliveira, 927, Universitário, região sul de Campo Grande. A entrada é um quilo de alimento, que são destinados aos Vicentinos da Paróquia Santa Rita de Cássia. Informações pelos telefones (67) 9619-6703 ou 9215-3082.



domingo, 10 de outubro de 2010

Site de Música Sertaneja do MS

Prezado Amigo Músico,


Temos o prazer de convidá-lo para o WORKSHOP de Lançamento do Fórum de Discussão do SITE DA MUSICA SERTANEJA DO MS; qual terá a fundamental importância de realizar debates virtuais sobre programas e ações que facilite a divulgação da sua música no mundo virtual, conquista de direitos, obtenção de benefícios, ampliação ao mercado de eventos, formação de uma rede de profissionais músicos, entre outros.
Teremos sorteios de brindes patrocinado pelos empresários locais, e será entregue aos participantes do evento, uma camiseta com o slogan “SOU MUSICO SERTANEJO DO MS”. Teremos a presença de empresários, fundações de cultura e alguns setores da mídia.
Será realizado no auditório do CASA BRASIL Instituto Delta de Educação, localizado à rua Irã nº 102 jardim das Acácias, próximo ao supermercado Camila, entre Azaléia e Coophasul, CEP: 79.116-501, no dia 19 de Outubro de 2010, às 18:30 horas. Favor confirmar sua presença pelo telefone: (67) 3365- 4323, (67) 3365- 4083 ou (67)91074302. Ate o dia 14 de outubro.

Cordialmente,

Hélio Lira - Coordenador do Projeto Caipira Digital

---

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Turismo Rural e Aventura em Campo Grande - Toca do Ouriço


A 35 km da saída de Campo Grande na MS 010 prolongamento da Av. Tamandaré está a Fazenda Camping Toca do Ouriço. Dotada de completa infra-estrutura para camping e day-use com duchas externas masculina e feminina além de banheiros privativos tem circuito único de esporte de aventura com ARVORISMO em mata nativa com árvores imponentes com extensão de 180 metros em 08 plataformas encerrando com tiroleza. BOIA-CROSS em rio com corredeiras com equipamento indispensável, CAVALGADA em ambiente de campo e mata. Escalada. Plataforma de RAPEL, conjunto de TIROLEZA sobre o canyon do rio pombal encerrando sobre espetacular CACHOEIRA totalizando 210 metros de pura adrenalina.
A Toca oferece ainda SPA em ambiente campestre em sede de 700 metros quadrados sendo destes 200 metros de varanda, circundada por árvores típicas de cerrado, pássaros, aves nativas e domésticas e o relaxante murmurar do rio, redário dentro da mata, piscina, ofurô natural além é claro de delicioso cardápio de comida regional com café da manhã, almoço e lanche.
Aos acampantes que queiram fugir do corriqueiro há a opção de acampar em BARRACAS sobre árvores dentro da mata. Não poderia faltar tres quadras de voley e/ou futebol de areia.Ambiente acochegante, confortável,  tem cozinha industrial azulejada,restaurante coberto com palha de bacuri, é administrado pela família dos proprietários

Fonte: http://www.tocadoourico.com.br/

---

Faça teatro!!!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Sarau dos Amigos nesta Quinta!



Um lugar onde se ouve do Sertanejo ao Jazz, do Samba ao Rock, além de outros ritmos eruditos ou populares. Uma varanda onde acontecem apresentações de dança e teatro, com espaço para declamação de poemas e exibição de audiovisual. Um quintal cheio de artesanato, artes plásticas e poesia, visitado por gente da comunidade e de toda a capital sul-mato-grossense. O Sarau dos Amigos chega à trigésima terceira edição mantendo a diversidade artística e se firmando na agenda cultural de Campo Grande.

Nesta quinta-feira, 30 de setembro, o jovem compositor Felipe Copat, acadêmico de Música da UFMS, mostra canções sertanejas inéditas que compôs em Bonito, sua cidade natal. Além dos novos talentos, o sarau recebe também o projeto Nossa Música MS, com as bandas Toca Trio e Dimitri Pells, patrocinados pelo FIC-MS.

Dança cigana é outro destaque deste encontro, com o Estudio de Dança Isa Yasmin. A dançarina Isa apresenta a dança Snuj Guazzi, do Egito. Fernando Cunha e Solange Bertozi vem com dança cigana espanhola e Morgana Shayra mostra uma dança tribal.

Está confirmada também a dupla sertaneja Kin & Adriano, o samba e MPB de Gabriel Leal, o Pop e MPB de Daniele Santana & Renato Mendes. Na área de exposições haverá o artesanato de Rose, moradora da comunidade. A artista plástica Frann Zamora revela suas telas Pop Art, criadas a partir das “descobertas surtidas da imensa curiosidade perante o mundo”, conforme explica.

A família Almeida, do Recanto das Mudas, vai decorar o ambiente com plantas e distribuir mudas de árvores ao público. O Instituto de Permacultura Cerrado-Pantanal expõe fotos, modelo de banheiro seco e técnicas de compostagem doméstica.

Trechos de poemas nas paredes integram a proposta de diversidade artística do Sarau dos Amigos. Virginia Woolf, Oscar Wilde, Saramago, Vargas Llosa e Hermann Hesse também participam desta edição.

Serviço: O Sarau dos Amigos acontece toda última quinta-feira do mês na casa do ator e jornalista Eduardo Romero. Rua Elvira Matos de Oliveira, 927, Universitário, região sul de Campo Grande. A entrada é um quilo de alimento, que são destinados aos Vicentinos da Paróquia Santa Rita de Cássia. Informações pelos telefones (67) 3043-6703 ou 9215-3082.



DANÇA CIGANA

Advindos da região da Índia que permanecem até hoje, os povos ciganos migraram pelas regiões da África, passando pelo Egito e países do Oriente Médio, migrando para Europa até chegarem no Brasil e são responsáveis pela divulgação de culturas, danças e costumes que permanecem na nossa história e enriqueceram de forma peculiar nossas origens.
Não se pode decifrar o que não é pra ser decifrado, assim é a dança cigana ao meu ver, dança é expressão, movimento, ritual, onde expomos nossa essência divina, colocamos em movimento a energia do universo, contemplando assim a natureza e suas divindades, divindades que moram em nós e no tempo, fazendo parte assim da centelha divina.
Leques, pandeiros, castanholas e lenços, em cada região os gypsy, buscaram agregar a sua vida costumes e utensílios dos povos por onde passaram, mais jamais esquecendo sua essência. Índia, Egito, França e Espanha, lugares que marcaram com a chegada dessa grande carruagem colorida, buscando assim um espaço no tempo que por sinal sempre foi seu refugio, com a benção de Santa Sara Kali, sua rainha e mãe protetora, passam deixando pelo caminho perfumes e flores, abençoando assim com a alegria e prosperidade que enlaçam suas vidas. E assim, com grande Paixão e devoção, dançamos descalços movimentando essa grande energia.
As danças apresentada para o Sarau buscam resgatar este caminho de forma geral por onde esta cultura influenciou as danças e diversos povos, iniciando com as guawazee ciganos egípcios que disseminaram e absorveram diversas culturas dos povos orientais, trazendo este legado até a Europa mostrando através da dança cigana espanhola que este povo está ligado pelo seu maior pensamento “O mundo é a nossa pátria”.
Em sequência uma dança Tribal Árabe que constitui a fusão de diversas danças da região do oriente médio, com um estilo mais contemporâneo de movimentação que surgiu nos E.U.A, mostrando que a dança tem a dinâmica e busca novos caminhos.
Os bailarinos são do Estudio de Dança Isa Yasmin que busca trabalhar a integração e as diversas culturas e novas concepções em dança na contemporaneidade.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Sarau dos Amigos é reconhecido pela Câmara Municipal


O Sarau dos Amigos recebeu Monção de Congratulação da Câmara Municipal de Campo Grande, em reconhecimento a 30ª edição do encontro.
No documento expedido no dia 11 de agosto de 2010, a Casa de Leis reconhece o espaço de manifestações artísticas, com o objetivo de democratizar o acesso à Cultura e contribuir com as obras assistenciais na região do Bairro Universitário.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Cândida de Bernard Shaw chega a Campo Grande na próxima semana





Peça é dirigida por Zé Henrique de Paula e traz Bia Seidl no papel-título


Sucesso de crítica e de público, a peça Cândida, de Bernard Shaw, dirigida por Zé Henrique de Paula, estreia no próximo dia 21 de agosto em Campo Grande. Amor, casamento e identidade masculina são os temas centrais da comédia, com a atriz convidada Bia Seidl no papel-título.

O espetáculo é marcado por ironia e irreverência e cumpriu três temporadas de sucesso em São Paulo. Na Capital, a peça será encenada ainda no dia 22, no Teatro Glauce Rocha. No elenco estão também os atores Sergio Mastropasqua e Fernanda Maia, entre outros.

Sutilezas e paixão - Escrito em 1895 pelo dramaturgo irlandês Bernard Shaw, o texto ameaça colocar em cena um adultério a ser praticado por Cândida - a devotada esposa do reverendo Morell, um pastor anglicano de ideologia socialista. Cândida encanta-se pelo aristocrata Marchbanks, um jovem poeta. Ao invés de seguir os rumos esperados, porém, a peça tem um final surpreendente.


Ironia e irreverência marcam os personagens, incutindo ao enredo um tom de inteligência e alta teatralidade. Além dos três personagens que formam o triângulo amoroso central, completam a história o pai de Cândida, o capitalista insaciável Sr. Burgess; a secretária do reverendo Morell, Srta. Prosérpina, e o assistente do pastor, reverendo Lexy Mill. A natureza da fé religiosa, o embate socialismo versus capitalismo, a decadência da nobreza e a Londres da era vitoriana também estão presentes na obra.

A montagem - A montagem busca, esteticamente, a limpeza e a síntese, com cenografia enxuta e funcional, figurinos sóbrios em paleta de cores reduzida, música e iluminação de natureza narrativa e cenográfica. “Há um foco altamente dirigido para o trabalho de interpretação dos atores e para a descoberta de uma linguagem cênica que ‘revele’ o espírito de Shaw, um autor com carpintaria teatral impecável e sofisticação de pensamento. O ator, nesse sentido, é a peça fundamental”, explica Zé Henrique.


Cenário e figurinos, assinados pelo diretor, são pautados pela sobriedade: no palco, somente os elementos necessários e essencialmente simbólicos do universo da peça. Há uma predominância de cores escuras, acentuando a sisudez desse lar londrino da era vitoriana e funcionando como tela de fundo para a ação dos personagens. Nos figurinos, há uma busca por concretude e verdade, utilizando-se modelagens, tecidos e padronagens típicos do período.

A trilha original, composta pela diretora musical Fernanda Maia especificamente para a encenação, apresenta um quarteto formado por piano, violoncelo, violino e clarineta acompanhados por uma solista feminina. A música pontua as passagens de tempo dentro da peça e musicaliza as entradas de cada personagem com a sonoridade correspondente às características de cada um deles. A iluminação de Fran Barros evidencia a passagem do tempo (a peça se passa em um só dia, da manhã à noite) e também cria símbolos que contribuem para a construção da narrativa.

Informações – Os ingressos para a peça Cândida podem ser adquiridos na Sorveteria Jeito Frio, localizada na Av. Afonso Pena, 4.240, próxima ao Shopping Campo Grande. Os valores são R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia). As sessões acontecem às 21 horas, no dia 21, e às 20 horas, no dia 22. Mais informações pelo telefone (67) 8408-5126.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Orquestra de Campo Grande e Pedro Jesus Gomes, da Espanha



No dia 21, Pedro Jesus Gomes (Espanha) será solista junto a Orquestra de Campo Grande, onde utilizará a guitarra clássico-romântica, instrumento do século XIX, que é anterior ao violão moderno.


É uma oportunidade imperdível para ter contato com esses instrumentos nada convencionais!!
A entrada é franca!!!!!Os concertos serão no teatro Prosa - SESC às 20:00h.
 
 
Fonte: Angela Finger

O Morenismo no Twitter

Siga o Morenismo no Twiiter @morenismo
www.twitter.com/morenismo

“Frágil ou o Sentido da Ruptura” - street dance e hip hop “Funk-se”

“Frágil ou o Sentido da Ruptura”. Esse foi o nome dado ao espetáculo ganhador da última edição do prêmio Funarte (Fundação Nacional de Artes) de Dança Klauss Vianna, que estréia na próxima quinta-feira (19), às 20 horas, no teatro Glauce Roche, de Campo Grande. O grupo de street dance e hip hop “Funk-se” foi o único premiado do Estado em 2009 e leva ao palco, uma proposta diferente: a realidade dos jovens indígenas da etnia Kaiowá, da região de Dourados (MS), através da dança.


Através do projeto, o grupo estudou durante seis meses os costumes, sonhos e conflitos deste público. “Não é um espetáculo comum de hip hop e street dance, ele tem uma dramaturgia, conta uma história através da dança, dos movimentos, do cenário e da música”, explica o preparador corporal e diretor de movimento, Jair Damasceno. E diferente dos demais espetáculos de dança de rua, além da música eletrônica, a trilha sonora também se utilizará de sons regionais do MS, como a polca paraguaia e indígena.

Serviço - “Frágil ou o Sentido da Ruptura” estréia no dia 19 de agosto, com apresentação também no dia 20 do mesmo mês, às 20 horas, no teatro Glauce Rocha, de Campo Grande. Os ingressos custam R$20 - entrada inteira, e R$10 para estudantes. Para quem planeja assistir com a família ou com os amigos é possível comprar o “pacote”, um kit com quatro ingressos no valor de R$30. As pessoas que escolherem esta última opção, devem estar juntas na hora de adquirir e entrar no espetáculo.
Para mais informações, entre em contato no 3384-2283


Fonte: Sato Comunicação

sábado, 14 de agosto de 2010

Polca paraguaia, guarânia e chamamé são tema de livro


O professor Evandro Higa, docente do curso de música da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e doutorando no Instituto de Artes da UNESP comunica o lançamento do livro “Polca paraguaia, guarânia e chamamé – estudos sobre três gêneros musicais em Campo Grande, MS” pela Editora da UFMS com patrocínio do Fundo Municipal de Investimentos Culturais – FMIC.


Com tiragem de 1.000 exemplares, a publicação de 360 páginas e numerosas transcrições musicais é uma versão revisada da dissertação de mestrado em musicologia defendida pelo autor no Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo em 2006, tendo sido acrescida de quatro artigos apresentados em congressos da rama latino-americana da IASPM e do II Seminário Internacional América Platina (Rio de Janeiro-2004, Havana-2006, Lima-2008 e Campo Grande-2008).

Os gêneros polca paraguaia, guarânia e chamamé – representações de uma identidade cultural associada à “alma guarani” – são referências fundamentais para a configuração identitária de Mato Grosso do Sul. Mesmo sofrendo mutações ao integrar-se ao universo sertanejo brasileiro em um processo de hibridação percebido desde a primeira metade do século XX e que se institucionalizou ao ser inserido no mercado fonográfico nacional, afirma sua persistência na manutenção de um repertório específico e na influência que exerce sobre a produção musical da região.

Evandro Higa, é pianista e regente de coros e de 1989 a 2006 dirigiu, juntamente com a cantora lírica Clarice Maciel, o Centro de Arte Viva – escola livre de música, artes plásticas e teatro de Campo Grande, MS. É membro da rama latino-americana da Associação Internacional do Estudo da Música Popular – IASPM, da Associação Brasileira de Educação Musical – ABEM e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Migração e Memória da UFMS, tendo publicado artigos em revistas do Arquivo Histórico de Campo Grande, do Departamento de Letras da Universidade Católica Dom Bosco e no livro Ensaios Farpados – Arte e Cultura no Pantanal e no Cerrado (org. Ivan Russef, Marcelo Marinho e Paulo Sérgio Nolasco dos Santos).

Parte dos exemplares será distribuída aos sistemas municipal, estadual e nacional de bibliotecas públicas e também poderá ser adquirida nas livrarias da cidade, sendo que a noite de autógrafos será realizada no dia 27 de agosto às 19 hs. na Morada dos Baís em Campo Grande.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Os Diferentes - Arte Boa Nova

CINESESC HORTO


Programação especial para o mês do Folclore - IMAGINÁRIOS POPULARES EM CARTAZ

Sessões gratuitas todas as Quartas-feiras e Sábados às 19h00
 
 
Fonte: Arte & Cultura - Jair Damasceno

PALCO GIRATÓRIO SESC 2010 - O AMARGO SANTO DA PURIFICAÇÃO


Tribo de Atuadores ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ, RS - 17 DE AGOSTO DE 2010 ÀS 16H00 - PRAÇA ARY COELHO

"... Em O Santo Amargo da Purificação, o Ói Nóis conseguiu unir impacto visual e sonoro, ampla visibilidade e dramaturgia elaborada.

O aprimoramento do grupo nesse teatro democrático fica evidente já na primeira cena que começa em dois pontos distintos do calçadão. Por um lado chegam atores cujas máscaras, figurinos, canto e coreografia remetem com graça a ancestrais africanos. O mesmo vale para os que chegam do extremo oposto cujas máscaras, figurinos, música informam tratar-se de imigrantes italianos.

Nessa encenação, a clássica coreografia abre-alas vai além da função básica que é a de atrair o espectador distraído e anestesiado em sua rotina: transmite de forma poética e sutil informações importantes. Amálgama que se repetirá a cada cena."

Beth Néspoli Estado de São Paulo 22/09


Fonte: Arte & Cultura - Jair Damasceno

Artesanato de Ivinhema será exposto na Morada dos Baís

Obras da cidade de Ivinhema estarão expostas a partir da próxima terça-feira na Morada dos Baís. O evento de abertura, que acontece a partir das 19h30, faz parte da programação do aniversário de 111 anos de Campo Grande. A mostra é promovida pela Fundação Municipal de Cultura (Fundac). O artesanato de Ivinhema origina-se de um processo de valorização cultural integrado com a agricultura familiar. Por meio dele, famílias da comunidade agrícola buscam a geração de renda e desenvolvimento cultural para a promoção da qualidade de vida através da produção artesanal.

Fonte: Fundac

FelizCidade no Parque das Nações Indígenas

Com uma programação cultural voltada a todos os tipos de público, a primeira edição do evento chamado “FelizCidade” será realizado no dia 15 de agosto no Parque das Nações Indígenas. Serão montados dois palcos para receber as mais variadas apresentações selecionadas. O evento é realizado pela Fundação Municipal de Cultura (Fundac) faz parte da programação dos 111 anos do aniversário de Campo Grande.
A programação no período matutino tem início às 9h30 com a apresentação do grupo Embrujos de España. Em seguida a animação fica por conta do grupo Chalana de Prata. A partir das 10 horas se apresenta o grupo de dança Cherrez, seguido pelo cantor Márcio de Camillo. Para fechar a manhã os palcos serão ocupados pelo Grupo Ginga e Cia do Mato e pela Bateria da Escola de Samba Tradição do Pantanal.
O período vespertino tem início às 16 horas com a apresentação de Michele e Banda às 16 horas, seguido pela apresentação do grupo de dança Anita Amizzo, às 16h50. Jerry Espíndola se apresenta às 17 horas e o grupo Funk-se as 17h30. A partir das 17h45 entra no palco Pattyy e Banda e a Bateria da Escola de Samba Unidos do Cruzeiro.
A programação noturna começa às 19 horas com a apresentação da dupla Victor e Vinícius, seguida pela Cia Dançurbana. Em seguida se apresenta a dupla Gilson e Junior e quem fecha a noite é a Bateria da Escola de Samba Unidos da Vila Carvalho. Durante todo o dia serão oferecidas oficinas de artesanato, pintura, circo, apresentações de grupos de teatros participantes do FestCamp.
“Escolhemos uma programação bem variada e voltada a todos os públicos. Teremos muita música, dança e apresentações teatrais. Aproveitamos a oportunidade do aniversário da Cidade para que a Prefeitura de Campo Grande pudesse promover um evento que com certeza será de grande sucesso, principalmente por acontecer em um local que é um dos cartões postais de nossa cidade, o Parque das Nações Indígenas”, detalha Roberto Figueiredo, diretor presidente da Fundac.
Fonte: Fundac

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Rubênio Marcelo lança novo livro

Grupo Funk-se em novo trabalho dia 19 e 20 de agosto

"FRÁGIL OU O SENTIDO DA RUPTURA"(Prêmio Funarte 2009) - novo trabalho do Grupo FUNK-SE dias 19 e 20 de agosto - às 20h - Teatro Glauce Rocha - 14 dançarinos - Coreógrafo Édson Clair - Dir. Cênica Anderson Bernardes - Direção de Movimento Jair Damasceno.

Fonte: Arte&Cultura - Jair Damasceno

Exposição Só Lâmina no Sesc Horto


Dia 03 de agosto, às 19:30h - no SESC Horto - Abertura Oficial da Exposição "SÓ LÂMINA" de Nuno Ramos(RJ), com a palestra "Arte Contemporânea Brasileira na Atualidade", com Paulo Venâncio(RJ), curador da exposição que fica em cartaz na Galeria de Artes SESC Horto, no período de 03 de agosto a 19 de setembro.


- Nuno Ramos mostra nesta exposição três trabalhos: "Só Lâmina", "Luz Negra" e "Carolina". Cada um deles representa e exemplifica uma dimensão importante e significativa da extensa obra do artista - veja banner eletrônico anexo

- PAULO VENANCIO FILHO é curador de Exposições de Artes Plásticas no Brasil e exterior, crítico de arte, professor titular na Escola de Belas Artesda Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador do CNPq.

- Importante: Visitas orientadas e oficinas serão agendadas para grupos de estudantes, professores e interessados.



Fonte: Jair Damasceno

Pianista Miguel Proença nesta Terça!!!



Dia 3 de agosto, às 20:30h - no Teatro Glauce Rocha - Apresentação única do pianista MIGUEL PROENÇA pelo "Projeto Piano Brasil" - entrada gratuita!!!


Iniciado em 2005, o projeto percorreu 13 cidades brasileiras com Miguel Proença fazendo os recitais de lançamento da coletânea Piano Brasileiro, editada pela Gravadora Biscoito Fino.

O projeto é realizado pelo Sesi Nacional e CEEE (Companhia de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul) com apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Fonte: Jair Damasceno

Oficinas gratuitas de teatro no FestCamp

Lambe-lambe

FESTCAMP - Festival Nacional de Teatro de Campo Grande oferece 02 oficinas gratuitas com inscrições até quarta feira, dia 04 de agosto


Oficina: Técnicas Básicas de Mimo e pantomima.
De 8 a 11 de Agosto
Horário: Das 12:00 as 15:00
Vagas: 15 Pessoas.
Ministrante: Junior Benavente da Escuela experimental de mimo- Lima Peru
Carga horária 12h.
Interessados enviar currículo para análise par o email festcampms@gmail.com

A oficina oferece técnicas básicas ao que se desenvolverá o acondicionamento corporal e dramaturgia do corpo através da técnica de mimo e pantomima.
Junior Benavente da Escuela experimental de mimo- Lima Peru.


Oficina de Teatro Lambe Lambe.
De 9 a 11 de Agosto
Horário: Das 12:00 as 15:00
Vagas: 12 Pessoas.
Ministrante: Grupo Anjos da Noite SC.
Carga horária 12h.
Interessados enviar currículo para análise o email festcampms@gmail.com.

Teatro Lambe-lambe - Uma arte brasileira
O Teatro Lambe lambe é uma nova modalidade dentro do Teatro de bonecos, esta oficina ensina as bases e o como fazer de todo um trabalho de confecção e manipulação dentro de um mini-espaço que estará em comunicação com o público (uma pessoa de cada vez). Como o próprio nome indica, foi dado por suas criadoras Ismine Lima e Denise di Santos no fim da década de 80 na Bahia, por causa da forma da caixa com cortinas que cobrem o espectador e o manipulador – que se assemelham às antigas câmeras dos fotógrafos Lambe-Lambe das praças públicas do começo do século XX. Esta oficina (que dá seguimento aos cursos de teatro lambe lambe já ministradas pela Cia Anjos da Noite no Centro de Pesquisas Lambe Lambe Brasil) serão abordadas questões mais centrais sobre o teatro lambe lambe, onde se aborda inclusive a interação com a platéia e a organização para que a platéia possa esperar até a sua vez de assistir. Ao longo de dezoito horas, o grupo de trabalho irá aprender a fazer a caixa, criar espetáculos simples com luz natural e som da própria voz, e ao mesmo tempo em que desenvolve a concentração, a autoconfiança, e inclusive, confronta o manipulador com todo um conjunto de dificuldades e imprevisibilidades inerentes a uma atividade realizada ao vivo.

Temas abordados
Confecção e manipulação dos mini-bonecos, customização das caixas, construção da dramaturgia, entre outros.

Sobre o ministrante.
Ao longo de 13 anos de trabalho a Anjos da Noite Cia de Teatro sempre buscou trazer para seu público, o teatro de sua forma mais simples e clara onde o espectador tem sempre um lugar na dramaturgia.
As conquistas que os Anjos da Noite tiveram foram muitas, o grupo na sua linha de pesquisa se dedica ao Teatro de Miniaturas e a literatura Russa nas obras de Tchekhov. Mas do que isto, o grupo tem como foco em suas montagens o trabalho de pesquisa, aliado ao grande desejo de sempre inovar e qualificar as suas montagens artísticas. Trabalhando em todas as áreas o Anjos da Noite já marcou presença em festivais estaduais, nacionais e internacionais.

--

NÚCLEO DE TEATRO/FCMS

67-3316-9171 - 67-3316-9110

Feijoada com pagode e Michael Jackson



O Independente Futebol Clube, time do bairro Universitário, promove no próximo sábado uma grande feijoada na Chácara Recanto Verde. Vai ter pagode ao vivo e presença do Michael Jackson cover.
Sábado, 7 de agosto
12h -R$ 10,00
Avenida Gury Marques, após o bairro Universitário, atrás da Sadia, na chácara do Cabral.
Informações pelo telefone 9265-7815
Levar pratos e talheres

História dos Cinemas do MS viram livro



A jornalista e cineasta Marinete Pinheiro lança nesta sexta-feira o livro "Sala de Sonhos - Memórias dos Cinemas de Mato Grosso do Sul" - Volume 2 e do Caderno de Pesquisadores do Cinema Brasileiro - Edição Especial/2010.

06/08/2010 - 19h
Memorial da Cultura Apolônio de Carvalho
Av. Fenando Corrêa da Costa, 559 (antigo Fórum)

quinta-feira, 29 de julho de 2010

31º Sarau dos Amigos


São dois anos e meio de história com muita Música Popular Brasileira e Rock. Agora, pela primeira vez, o Sarau dos Amigos recebe a Música Erudita e o Jazz. A pianista Ana Paula Soares e a cantora Viviane Priccela apresentam parte do concerto “Due Dona”. Já o grupo 1970 Jazz explora a sonoridade da música americana. A programação tem ainda o Pop e Rock da Banda Ázus, a MPB do Disritmia, duplas sertanejas, além do tradicional espaço para palinhas.

Neska Brasil expõe telas na entrada da casa, é a instalação “Todos Eu!”. No corredor do quintal o público confere diversas exposições de artesanato, como da artesã Miriam. A varanda recebe o teatro do Núcleo Teatral Sarau dos Amigos, interpretando textos de Thathy D’Meo, e do Prisma Grupo de Teatro. Os poemas de Marco Cardoso vão surpreender os olhares nas paredes do Sarau dos Amigos. Piadas e histórias serão contadas pelo humorista Anderson Barão.

Serviço: O Sarau dos Amigos acontece toda última quinta-feira do mês na casa do ator e jornalista Eduardo Romero. Rua Elvira Matos de Oliveira, 927, Universitário, região sul de Campo Grande. A entrada é um quilo de alimento, que são destinados aos Vicentinos da Paróquia Santa Rita de Cássia. Informações pelos telefones (67) 9619-6703 e 9239-4014.

Música erudita
"Due Dona" significa "Duas Mulheres" em italiano. Neste caso, piano e voz executados por Ana Paula Soares e Viviane Priccela, respectivamente. Ambas têm Curso Superior de Música, em faculdades do Rio de Janeiro e, em suas atuações constam: Óperas, Musicais Infantis e da Broadway, Cantatas, Oratórios, Recitais, Concertos Eruditos, Cortinas Líricas etc. E, essas "Duas Mulheres", também têm, como segundo instrumento, a Flauta Transversal. Realizam atividades docentes concernentes à sua proposta de levar amplas apreciação e formação músico-culturais à comunidade em Campo Grande e pelo Estado todo. Constata-se, então, o ecletismo em seu repertório: "Uirapuru" (de Valdemar Henrique); "Trovas" (de Alberto Nepomuceno); "O Mio Babbino Caro" (da ópera 'Gianni Schicchi', de Giacomo Puccini); "Think Of Me" e "The Phantom Of The Opera" (do musical 'O Fantasma da Ópera', de Andrew Lloyd Webber).

Núcleo Teatral
Nessa edição o Núcleo teatral Sarau dos Amigos traz esquete teatral “E eu com isso?”. Segundo a dramaturga Thathy D. Meo, diretora do Núcleo, a esquete de humor é marca registrada do grupo. O texto provoca a discussão e reflexão sobre as eleições 2010. O elenco conta com os atores Cleber Dias, Eduardo Romero, Kely Zerial e Thathy D. Meo.

Neska Brasil
“Todos Eu! Uma instalação com telas que foram pintadas a partir de uma investigação pessoal na qual eu busco identificar algumas das diversas “personas” que existem dentro de mim. Uma aventura em busca daquilo que sou e de tudo que me compõe, onde me deparei com eu mendigo, eu fantasma, eu liberta, eu histérica, eu romântica, eu disforme. Várias faces de todos meus eus. Os trabalhos são todos muito coloridos e apresentam uma liberdade de representação. São diferentes faces de um único todo: eu!”

Marco Cardoso
Redator publicitário por profissão, boleiro por hobby, capoeirista por paixão, rappeiro por amor e geneticamente louco por boa música e poesia. Freqüentador de becos, vielas, cortiços, quebradas, coletivos e grandes aglomerações populares, este filho de Campo Grande gosta mesmo é de escrever sobre a sua gente: trabalhadora e cheia de sonhos. A intenção é clara, desmistificar a expressão “Coisa de Preto”, trazendo para junto do entendimento coletivo o lado bom e não pejorativo de tudo que é pobre, preto e periférico. Leia sua obra: http://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=843

1970 jazz
O quarteto 1970 Jazz foi formado através de um grupo de estudo de grande afinidade musical. Eles são influenciados por artistas como Bela Fleck, Spiro Gyro, Incognito, Ed Motta e outros. O grupo é composto pelo contrabaixista Douglas Santana (Dod Sant), tecladista Clemerson (Toody), baterista Fabrício de França e saxofonista Ricardo Lauro.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Sarau do IMP - Instituto de Música Popular

NESTA QUINTA NO SARAU DA IMP CONTAREMOS COM AS PARTICIPAÇÕES:

O BANDO DO VELHO JACK, CHALANA DE PRATA, JERRY ESPÍNDOLA COM GUILHERME
CRUZ, GILSON ESPÍNDOLA, JENIFFER MEGNÉTICA E MUITO MAIS;

NESTE SARAU ESTAREMOS LANÇANDO O LIVRO "TERERÉ COM ÁGUA GUARANI" DE
ATHAYDE NERY

IMP (INSTITUTO DE MÚSICA POPULAR) - RUA ANTÔNIO MARIA COELHO, 1908

HORÁRIO: 20 HORAS

A ENTRADA É DE GRAÇA

INFORMAÇÕES: 92992083


CONTO COM VOCÊ!

DANIEL ESCRIVANO

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Campo Grande é notícia na Veja com pesquisa sobre tecnologia 3D

Confira no site Marco Eusébio o destaque nacional que o LAPIS (Laboratório de Pesquisa de Imagem e Som) obteve na Revista Veja.

Campo Grande sedia Concurso de Forró




Esta semana tem Palco Giratório no Sesc - TEATRO

SESC CONVIDA:

PALCO GIRATÓRIO SESC 2010
ELE PRECISA COMEÇAR, com Felipe Rocha, RJ.

DIAS 27 E 28 DE JULHO DE 2010 ÀS 20h

TEATRO PROSA - SESC HORTO


Ele já está com 35 anos, está sozinho em seu quarto de hotel e tem o dia inteiro livre. Ele ainda não sabe onde isso vai dar, mas começa a escrever uma peça. Começa da primeira idéia que lhe vêm à cabeça: um autor escrevendo, sozinho em seu quarto de hotel. Ele precisa começar.
Duração 70 minutos. Espetáculo recomendável para maiores de 12 anos.


OFICINA

DIA 29 DE JULHO DE 2010

DAS 08H00 ÀS 17H00

NO SESC HORTO

O trabalho do ator e 9 pontos de vista
Nesta oficina, compartilhamos com os alunos um pouco da nossa prática na criação do espetáculo "ele precisa começar", com algumas das ferramentas desenvolvidas em nosso processo criativo, exercícios físicos, jogos teatrais, jogos de percepção, trabalhos com texto, estudo das relações cênicas entre ação e narração, e a técnica de improvisação "View Points", criada e desenvolvida pela diretora Anne Bogart.
Queremos estimular o material de trabalho de cada participante, seus próprios recursos corporais, vocais e imaginativos, buscando abrir vias de acesso para novas abordagens criativas e artísticas.

http://www.eleprecisacomecar.blogspot.com/

sábado, 24 de julho de 2010

Studio Nidal Absul hoje na Mostra Sul-mato-grossense de Dança do Ventre

Fonte:

Família promove almoço pela recuperação de Rita

Rita Stefanny

A família de Rita Stefanny de Oliveira Ribeiro, 19 anos, realizará no dia 25 de julho, às 11h, na Paróquia Santa Rita de Cássia, um churrasco em prol de sua recuperação. O investimento é de R$ 10,00 e todo o dinheiro arrecadado será utilizado no tratamento da estudante, que aguarda encaminhamento para a Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação, em Brasília-DF.

A jovem, que foi internada em janeiro no Hospital Universitário para se submeter a uma cirurgia de retirada de pedra de rim, perdeu movimentos parciais das mãos, braços e pernas, além da fala. Desta forma, ela está totalmente dependente dos pais, que precisaram abdicar seus trabalhos para acompanhar o tratamento.

Leia mais sobre a situação de Rita. Clique aqui!

Serviço - A Paróquia Santa Rita de Cássia está localizada a Rua João Maiolino, 270, no bairro Universitário. Informações e doações para ajudar no tratamento de Rita Stefanny pelos telefones 3025-2989, 9981-6434 (Sandra) ou 9952-0417 (Emerson).

sábado, 10 de julho de 2010

Receba notícias culturais de Campo Grande - ARTE&CULTURA

O bailarino e diretor teatral Jair Damasceno envia toda semana uma série de agendas da cidade morena via e-mail com o Arte&Cultura.
Cadastre e receba também, envie seu e-mail para jairdamasceno@ymail.com .

Endereço atual do Sarau do Zé Geral

Toda quarta-feira acontece o tradicional Sarau do Zé Geral!!!

O endereço é:

ESPAÇO CULTURAL DO SARAU DO ZÉ GERAL
(OFICINAS – LOCAÇÕES – CURSO DE VIOLÃO E VOZ)

AV. ERNESTO GEISEL, 2821 – 3321-9852 / 9219-3504 - BAIRRO COHAFAMA – EM FRENTE AO FORT ATACADISTA

Fonte: Arte e Cultura - Jair Damasceno

Tarde de Férias Educanima - Pic-nic com histórias

Conheça a contadora de histórias e musicista Fernanda Leite!!!


Fonte: Fernanda Leite

Nando Mendes apresenta o show “Enquanto o Barulho não vem” no Cena Som

O show "Enquanto o Barulho não vem" do músico Nando Mendes é a próxima atração do projeto Cena Som, e será apresentado na quinta-feira (15 de julho), às 20h, no Teatro Aracy Balabanian. O projeto da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS) leva apresentações artísticas de música, teatro e dança toda quinta-feira para o Centro Cultural José Octávio Guizzo. O espetáculo tem classificação livre e duração aproximada de 70 minutos.

Nando Mendes, cantor e compositor da banda Barulho Zen realizará uma apresentação solo com a participação de músicos como João Fígar, Márcio de Camillo, Marina Dalla e Anderson Rocha, além dos integrantes da banda Diegomar e Douglas Ciaparini.

O ingresso terá o valor promocional de R$ 7,50 (meia) para todos. Mais informações podem ser obtidas no Centro Cultural José Octávio Guizzo, na rua 26 de Agosto, 453 ou pelo telefone 3317-1795.


Fonte: FCMS

Luau do Mato no Madah

Nas quintas-feiras acontece o Luau do Mato na Madah! As 8 da noite.

O músico Galvão diz que "tá muito bom, só não vai quem já morreu!".

Informe-se e participe pelo 3028 7269, com Dona Renata. Veja fotos no http://galvaoziwm.blogspot.com/

Para quem estava se perguntando sobre o Sarau da Madah, esta aí a informação do novo formato de encontro artístico que está acontecendo lá.

TerraBrasil 2010 acontece em Campo Grande

INSCRIÇÕES ABERTAS!


O Congresso será realizado em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, de 31 de agosto a 03 de setembro de 2010. O evento está sendo organizado pelo Departamento de Estruturas e Construção Civil (DEC/CCET) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul em parceria com a Rede TerraBrasil.

O evento terá apresentação de trabalhos científicos, oficinas e palestras.

Ficha de inscrição, palestrantes e outras informações podem ser visualizadas no site do evento: http://www.terrabrasil2010.wordpress.com/

Bigornada com Jair Naves (SP)



NO BARFLY (em frente a UNIDERP da AVENIDA CEARÁ)

Entrada R$ 10,00

à partir das 23 horas, com:



DIMITRI PELLZ

JENNIFER MAGNÉTICA

GOBSTOPPER

e JAIR NAVES (SP)



mais informações no site http://www.bigornaproducoes.com/

Feira de artesanato e apresentações na Praça Bolívia

Feira de artesanato em Campo Grande você encontra todo segundo domingo do mês na Praça Bolívia (bairoo Coophafé), onde acontecem diversas apresentações artísticas e comercialização da Satenha, um salgado boliviado que vale a pena experimentar.

Seguindo pela avenida Mato Grosso, em direção ao Parque dos Poderes, logo após a Dicos e o Banco do Brasil retorne a esquerda e vire a direita.